Nicho e segmentação de mercado: Você não precisa ser Deus para vender

Muitos acreditam que quanto mais prospectos e potenciais clientes tem o mercado melhor, mais será? Você é capaz de atender a todos de forma eficaz e eficiente? Ou seu produto se enquadra melhor em determinado nicho do mercado?

Antes de continuarmos, é preciso definir segmentação e nicho mercado:

Segmentação de mercado: é o resultado da divisão de um mercado em pequenos grupos. Este processo é derivado do reconhecimento de que o mercado total representa o conjunto de grupos com características distintas, que são chamados segmentos.

Nichos: são segmentos ou públicos cujas necessidades particulares são pouco exploradas ou inexistentes. A estratégia de aproveitamento de nichos está justamente na identificação das bases de segmentação que, quando explorados, representam o diferencial ou vantagem competitiva à empresa (ou pessoa).

Já perguntei para algumas pessoas, “afinal quem são seus clientes?” Eles responderam, “quem comprar meu produto é meu cliente”. A resposta pode estar certa ou errada a depender do conceito de cliente.

Sem dúvida quem compra seu produto é seu cliente, mais é preciso saber mais que isso, é necessário irmos mais a fundo e conhecermos suas necessidades antes mesmo dele comprar nossos produtos.

Essa é a visão contemporânea de negócios. Muitos nem tem um nicho especifico, simplesmente criam determinado produto e depois desperta o desejo das pessoas em adquiri-lo em um nicho parecido já existente.

Vimos isso acontecer com frequência no mercado de tecnologia, quando o iPhone surgiu não havia Smartphones, assim como quando surgiu o IPad e Tablets. Esses produtos eram conceitos totalmente novos para os consumidores, não existia nicho de Smartphone e Tablets, somente o nicho de celulares.

Isso tudo mostra que a Apple não só conhecia o seu mercado, como sabia que era capaz de provocar o desejo por um produto que ainda não existia dentro de um nicho existente (celulares).

Aposta empírica ou estudo e marketing? Sem dúvida alguma estudo e marketing, não se cria um produto de tão grande valor percebido que levaram anos de pesquisa para lançar como uma simples aposta da empresa.

A lei econômica diz que quanto maior o risco maior é o retorno, então se apostaram alto, logicamente lucraram alto. Mais podia ter dado errado? Claro, onde está o Google Glass do Google? Aqueles óculos que projetava coisas na parede e que revolucionaria a vida do ser humano, deu errado.

O que temos que ter um mente é que não somos de forma alguma onipresentes, não podemos e não devemos querer agradar a tudo e a todos. Devemos segmentar uma parte e focar naqueles, aí sim depois pensar em alargar as fronteiras e conquistar novos territórios.

Querer bancar o Deus do mercado, frequentemente, não agrada a ninguém e cai na mesmice de ser igual a todo mundo lutando por um mercado já saturado.

Foque, seguimente, especifique, defina o máximo que puder e que seja o suficiente para te sustentar no inicio, depois, se vivo, pense em alargar as fronteiras e conquistas ou criar novos mercados.

Ficamos por aqui, até a próxima!

Artigos relacionados: